sexta-feira, 1 de abril de 2016

Apenas mais um dia...


A pólvora cotidiana acendeu o estopim humano
O sol está arrefecido
e sua orquestra de raios ferida
A lua derrama lágrimas estelares
em céu de rugas cinzentas

O homem rasga seus trapos de sonhos
e veste um paletó de linho mesquinho
ornado por gravata de opaca elegância

Uma visão rústica fere as pupilas dilaceradas
pela brisa que embarca em uma arca sem fé
uma tripulação de rastejantes
fantoches brancos e negros

Uivos internos ecoam
pelas veias saltitantes
silenciando as bocas imóveis e pintadas
com os batons da opressão

O caminho é esburacado
e deve existir no final um troféu

O pranto nos hipnotiza
em mórbidas expectativas ao partir
atreladas em angelicais e satânicas tentativas
de encontrar o poetar metrificado
do santificado sorrir...

8 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

o Poeta e sua visão..

muito reflexiva. e muito pessoal.

nostalgia e realidade aliada.

um bom domingo!

beijinho
:)

Salete disse...


A verdade crua e nua sambando em nossa cara...

Maravilhoso, Evandro.

Beijo.

Zilani Célia disse...

OI EVANDRO!
ASSIM ESTAMOS, RASGANDO NOSSOS SONHOS ENQUANTO, NOSSA FÉ NA VERDADE SE ESVAI AOS POUCOS.
CONTUNDENTE NAS PALAVRAS COMO SEMPRE.
ABRÇS AMIGO.
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Fê blue bird disse...

Um poema intenso e um pouco perturbador de tão real.
Um beijinho

ॐ Shirley ॐ disse...

Como punhais afiados, suas palavras dilaceram a dura realidade...
Parabéns, querido Evandro!
Beijos!

Fábio Murilo disse...

Uma metáfora bem fidedigna cotidiano existir, do dinâmico funcionamento grandes cidades. Excelente, grande poeta. Abraços!

Franciéle Romero Machado disse...

A poesia é uma forma de expressão que pode trazer uma face realista e mórbida, tem algo que me encanta no meio disso tudo...talvez o ritmo, as palavras e metáforas, não sei, mas soa dolorido e bonito ao mesmo tempo. Apenas mais um dia que nos deparamos, com verdades e acasos os quais muitos tentam fugir. Às vezes pensamos que algo alterou-se, porém é apenas mais um dia...

ótimos versos poeta! :D
Abraços e uma boa noite!

Anderson Lopes disse...

A lua derrama lágrimas de sangue sobre nós.

Sua poesia é inexplicável!

Abraço!!