terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Palácio de areia



Ah jovens velhacos em gravatas de seda e camisas de linho

Desfilando imponentes em corredores cálidos

Torcendo o nariz ao adentrar o ninho

Da escória uniformizada de risos pálidos

 

Faces de santos em almas de demônios

Balançando seus pescoços por ouro banhados

Pobres criaturas de opacos neurônios

Vertendo o sangue azul em seus organismos iluminados

 

Bocas destilando a burrice em criativos fedores

Mãos batendo no peito exaltando a classe alcançada

Vivendo em um orbe alienado, ó derrotados vencedores

Idiotas inspirando ecléticas piadas

 

Orgasmos atingidos em carros luxuosos e boates radiantes

Asfixiados por seus ares em torpes futilidades

Embriagados pela soberba de seus luxos enxameantes

Agraciados pela venenosa benção de suas burlescas irmandades

 

O poeta observa inerte, psicografando em seus versos

A morte cerebral concedida à suas veias ignóbeis e apodrecidas

Covardes aprisionados em grades de palácios perversos

Bandidos insossos, roubando a essência de suas próprias vidas

10 comentários:

Salete disse...

Com certeza a vida é bem mais que ter dinheiro apenas...
Excelente poema, Evandro.

Beijos.

Safira Serene disse...

Evandro, boa noite...

Perfeito texto, bela reflexão, seriam bandidos insossos, suicidas, loucos... Passando pela vida em branca página, sem nada a fazer ou a acrescentar que os tire da mesmice, do sufocamento do dia a dia, tristes almas, tristes vidas mortas...

Gostei muito, amigo Evandro, gostaria que visitasse meu novo endereço (coisasdesafira.blogspot.com), creio que não precisemos de apresentações, sei que vai me reconhecer pela escrita, uma ótima semana, abraço.

ॐ Shirley ॐ disse...

Essas criaturas de "opacos neurônios", ignoram o destino que as espera. São dignas de nossa comiseração.
Parabéns, Evandro!
Beijos!

ॐ Shirley ॐ disse...

Essas pessoas de "opacos neurônios", ignoram o destino que as espera.
São dignas de nossa comiseração.
Parabéns, Evando!
Beijos!

Zilani Célia disse...

OI EVANDRO!
DISSESTE MUITO BEM,SÃO VERDADEIROS BANDIDOS, IGNÓBEIS, LADRÕES, MAS,MAL SABEM QUE, AO FAZEREM TANTO MAL AO POVO INOCENTE E QUE NELES DEPOSITOU SUAS ESPERANÇAS, MATAM AS PRÓPRIAS ESSÊNCIAS,
COMO SEMPRE, VEEMÊNCIA E VERDADE EM TEUS ESCRITOS.
ABRÇS
zilanicelia

© Piedade Araújo Sol disse...

um poema que é um grito do Poeta a dizer verdades...

beijo

:)

Fábio Murilo disse...

Excelente poema, Evandro. Certeiro, denunciador, dos podres poderes. Abraços!

Janaina Cruz disse...

A capacidade de enganar a si e a outros, entoando canções tristes como felicidade, conheço uma porção de gente assim, em Brasília principalmente!!! rsrs

Teus versos encantam-me sempre!!!

Fê blue bird disse...

A poesia é uma arma, parabéns por saber usá-la bem !

Desejo-lhe um Feliz Natal e Ano Novo!
Beijinho

Anderson Lopes disse...

Esses moços, pobre moços, ah se soubessem o que sei...

Poema que vai na veia!

Abraço, Evandro!