sábado, 1 de agosto de 2015

Vejo...


Vejo jazigos itinerantes

em alucinações lancinantes

 

Vejo cavalos alados

sobrevoando meus pecados

 

Vejo as nuvens

em minhas ébrias escaladas

rumo a psicodélicos cumes

 

Vejo tijolos loucos

assentando torres sem flores

 

Vejo bravios mares de asfalto

em embarcações lépidas

navegando intrépidas

formas de assalto

 

Vejo a cidade em chamas de tiroteio

queimando a alma tênue da brisa que,

em desnorteio,

chora a putrefação do corpo juvenil

esvaindo-se cedo do orbe

sem saber a que motivo veio!

 

Vejo migalhas pisoteadas pelos cães,

enroscando em suas pútridas patas

Pútridas como a desesperança latente

abrindo uma funda cratera

na imunda esfera

de sonhos descrente

 

Vejo orgias religiosas

sacudindo poeiras

e enterrando na lama do fanatismo

a alma sem realismo

dos fracos tímpanos ávidos

de rajadas alvissareiras

 

Vejo animais de terno

sem graça ou picadeiro

desfilando em um circo de inferno

lambuzando-se por inteiro

de ouro sem suadouro

colhido de janeiro a janeiro

 

Vejo polêmicas languidescentes

geradas em anêmicas nascentes

 

Vejo amigos capturados

por um nó súbito e forte

e cuidadosamente enlaçados

aos braços gélidos da morte

 

E agora,

vejo-me no espelho

Escravo molestado por um fardo forçado

Olhar envolto em pranto vermelho

Mascarado em ébrio tablado

montado no limiar rotineiro

de cada lúgubre aurora...

11 comentários:

Artes e escritas disse...

Evandro, obrigada por sua visita ao blog. Também vejo muitos absurdos por aí, mas a rotina lembra que somos humanos. Um abraço, Yayá.

AgriDoce disse...

E nos sentimos tão pequenos diante de tudo que vemos de ruim...
Já tinha saudades de te ler, Evandro.

Beijo.

ॐ Shirley ॐ disse...

Você é sensível, Evandro, e percebe um ângulo da realidade que muitos nem imaginam... A maioria das pessoas, preocupa-se com as atrações mundanas e jamais pensa em levantar os véus que cobrem os seus olhos...
Muito bom, amigo, beijos!

Zilani Célia disse...

OI EVANDRO!
SEMPRE UM PRAZER TE RECEBER LÁ NO "SÓ PRA DIZER".
UMA CAMINHADA SOBRE OS DESMANDOS DA VIDA E DO MUNDO.
COMO SEMPRE TEUS ESCRITOS TRAZEM A CRUEZA DAS VERDADES QUE NOS CERCAM.
ABRÇS
-http://zilanicelia.blogspot.com.br/

© Piedade Araújo Sol disse...

um olhar atento, o seu, entre tanta coisa ruim, você demonstra a sua enorme sensibilidade, que consegue passar para a escrita.
parabéns!
boa semana.
beijo
:)

Marli Terezinha Andrucho Boldori disse...

Querido Evandro, que poema forte em expressões que se fazem presentes em nossas vidas. Há tanta maldade onde vivemos e quem sabe inconscientemente façamos parte dela.Bem construído seu poema repleto de referências de atos que vivemos.
Metáforas repletas de significado. Obrigada por tão belo presente!
Grande abraço!

Janaina Cruz disse...

Ah, tuas palavras desfilam como pelo olhar, desenhando a vida cotidiana de pessoas que sentem e sentem feito poesia... É sempre um prazer ler-te!

Paulo Silva disse...

Dentro disto, observando aquilo. Sendo isto, querendo aquilo. Sonhando, realizando. Somos tanto e tão pouco. Somos tudo e outrora nada.
Maravilhado por vir aqui.
Abraço.

Anderson Lopes disse...

Cara, que poema preciso! Descreve tudo o que ando vendo e sentido em qualquer lugar que vou.
Grande abraço!

Anderson Lopes disse...

Cara, que poema preciso! Descreve tudo o que ando vendo e sentido em qualquer lugar que vou.
Grande abraço!

José María Souza Costa disse...


Prezado, Evandro.

A observação, será sempre uma janela, para Vida, que não cansa de ser observada.
Abraços