domingo, 1 de junho de 2014

Copa do Mundo



Patriotismo de modismo!

Balançando sem vida nos postes da hipocrisia

Fincado nos alicerces frágeis da descabida esperança

Lambuzado em esburacados asfaltos assassinos

Ferindo a paz anil com sua colorida trilha de poluição

Uivado em cornetas melodiosamente irritantes

 

Queimando com o néctar da embriaguez visceral

As sedentas gargantas dos roucos sacerdotes da futilidade

 

Carregado no pranto vazio da ínfima prioridade

Vertida pelos olhares inertes e sem ambições cabíveis

 

Desregrados seres veneradores do apocalipse mental

Esqueçam o errante e itinerante lamaçal brasileiro

Vamos vibrar com a riqueza do gol do artilheiro

Amém Copa do Mundo!

Venha camuflar as tragédias de nosso repetitivo jornal!