quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

A improvável revanche



O ano é fugaz e nos deixa sem gás

De janeiro a janeiro,

O orbe se aquece por inteiro

Com esfumaçadas trapaceadas e vigarices

Atingindo de Antonios a Clarices

Que caminham em calçadas esburacadas de sonhos

Desvirginados pelo membro rígido da realidade tarada

Que emana sexualidade barata

Em danças do ventre onde futuras mães

Carregam em seus esfomeados ventres

Uma nova safra de delinqüentes

 

Vendavais, pestes e carnavais

Alavancam os furos de balas

Que penetram pelas paredes das salas

Da psíquica paranóia que a moderna história

Retrata com entusiasmo de sarcasmo

 

“Amigos” infringem as leis dos limites

Divagando favores sem louvores

Animais humanos rasgam

As vestes outrora douradas

Das amenas noites enluaradas

 

Um caos é dissipado

Obstruindo a senda irrisória

De uma esperança que respira em aparelhos

Refletindo sua tristeza em espelhos

Petrificados de emoções encarceradas

 

Do sul europeu à Amazônia do índio fariseu

Uma brisa de terrorismo penetra

Em um jardim inadimplente de flores

Cobrando a dívida mental interna

Do matuto filosofal que interna

Em sua caixa encefálica a trágica

Mania de apenas existir

Sem questionar a oração dos domingos

Que conforta seus fúteis choramingos

 

Tudo posto

Sem voz ou rosto,

Apenas o diário desgosto

E uma solitária e ordinária

Folha pálida com uma passarela

Percorrida sem o brilho de uma aquarela

Ou um arco-íris

Que possa ser visto de uma janela

Contando no relógio

E preparando o espólio

Da vida que vai se findando

Sem nos dar ao menos uma chance

De uma improvável revanche...

11 comentários:

O tempo das maçãs disse...

Um país sem história que não sabe de onde veio e nem sabe para onde vai... resumindo: já perdi as esperanças nele.

Mais uma vez excelente, Evandro.

Bom começo de ano.

Beijos.

ᄊム尺goん disse...

[dias longos, sem pé nem cabeça.

na verdade não há suspense,
estou suspensa cabeça e pés.


e só.]


bom ano, beijo

© Piedade Araújo Sol disse...

excelente o seu poetar.

que essa inspiração perdure alem dos tempos.

agradeço e retribuo os votos de Bom Ano.

obrigada!

:)

Antônio LaCarne disse...

evandro, é simplesmente uma maravilha ler o que você escreve, portanto eu te desejo um 2014 cheio de inspiração e que todos os seus objetivos se concretizem.

grande abraço.

Evanir disse...

Boa noite amigo .
Eu não consegui chega antes
mais graças a Deus cheguei.
Desejo um abençoado ano novo
confirmando nossa amizade para
todo ano e muitos que peço a Deus que nos da com Amor.
Beijos com amizade e ternura.
Evanir.

Marli Terezinha Andrucho Boldori disse...

Evandro,parabéns pelo belíssimo e bem construído blog.Seu poema "Improvável Revanche", nos mostra que o apenas existir faz parte da maioria das pessoas. Nada se questiona, nada se faz ou melhor só se reclama. Não há o porquê da revanche.Gostei muitíssimo de sua escrita. Sigo-te!
Abraço!

Jota Effe Esse disse...

Quanto pessimismo, amigo Evandro! Que haja um vislumbre além desse "apenas existir!". Meu abraço.

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu amigo

Infelizmente esse seu poema contém uma realidade dos nosso tempos e que se adapta também ao meu País.
Agradeço a visita e desejo que 2014 seja um pouco mais justo.

Um beijinho
Sonhadora

PERSEVERÂNÇA disse...

Feliz quarta-feira!!!
Gosto deste texto.
Abraços
Nicinha

ॐ Shirley ॐ disse...

Texto bonito, Evandro, mas, em resumo, tudo continua igual, não é?
Amigo, um abraço!!!

Dani disse...

Nós somos mesmo a cópia, da cópia, da cópia... Vai ver por isso tudo continua igual.

Beijos