domingo, 1 de dezembro de 2013

Mais uma bala perdida...


Imponente e atroz selva de calcário

Ornada por árvores de asfalto e rios de carros

Despertada pelo brado do decrépito campanário

Violentando os tímpanos de seus espécimes bizarros



Jovem estudante, cabelo aparado, vestimenta social

Carregando nos neurônios uma bolsa de eruditos valores

Parte pela agitada rua esbarrando em animais de cristal

Ouvindo a cada toque os mais pútridos dissabores



E ao tentar atravessar o cruzamento derradeiro,

Sente um cálido estilhaço o enregelando por inteiro,

De joelhos, vai esmorecendo em lágrimas púrpuras,

Já não sente mais as ambições benevolentes e puras



O olhar trêmulo vaga na caça de quem lhe deu esse destino

Inerte, assiste a morte despir seus últimos sonhos de menino

Adormecido, é velado por corvos curiosos à luz negra do meio-dia

Enquanto sua mãe prepara o macarrão que ele tanto pedia

13 comentários:

PauloSilva disse...

Poesia sempre apurada.
Tinha saudades de vir por aqui ler estas folhas caídas de tanta intensidade e inspiração!
Um abraço, amigo.

O tempo das maçãs disse...

Poema excelente, Evandro, com um final surpreendente.

Benditas as mães que deixam essa difícil passagem menos dolorosa.

Beijo.

Zilani Célia disse...

OI EVANDRO!
UMA TRISTE REALIDADE AQUI RETRATADA DE FORMA CRUA, CHOCANTE E VERDADEIRA.
TALENTO SEMPRE PRESENTE EM TEUS TEXTOS.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Zilani Célia disse...

OI EVANDRO!
UMA TRISTE REALIDADE AQUI RETRATADA DE FORMA CRUA, CHOCANTE E VERDADEIRA.
TALENTO SEMPRE PRESENTE EM TEUS TEXTOS.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

© Piedade Araújo Sol disse...

comovente...

:(

Fábio Murilo disse...

Belíssimas imagens Evandro, desse poema urbano.

http://apoesiaestamorrendo.blogspot.com.br/

Fred Caju disse...

Se me permite, lembrei de um dos meus: http://fredcaju.blogspot.com.br/2011/07/ave-bala.html

Jota Effe Esse disse...

Dolorosa, mas bela poesia retratando a selva de pedra onde as pessoas acham que vivem. Meu abraço.

Renato Hemesath disse...

Nem tenho como expressar, mas que escrito tão bonito e triste. Além de ter me identificado no que se refere a não sentir mais as ambições benevolentes e puras, me chama a atenção a tua seleção de adjetivos. Tudo tão bem pensado, possivelmente! Abraços e nos falamos no próximo ano! Have a great time!

Jota Effe Esse disse...

Passando para te desejar um Natal de Paz e Luz, com o amor do menino Jesus, extensivos ao
Ano Novo. Meu abraço.

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu amigo

Hoje passando para desejar um Feliz natal, junto de todos os que lhe são queridos.

Um beijinho
Sonhadora

Heloisa Moraes disse...

Saudades disso aqui.
Bjos.

Anderson Lopes disse...

Um poema que nos faz emudecer...

Cara, venho de desejar um ano novo de muitos poemas e idéias brilhantes! E te agradeço por seus comentários sempre sinceros em meu blog. Grande abraço