quinta-feira, 1 de agosto de 2013

O compasso e a página


Ele tornou-se um compasso

e a vida uma página

A ponta do compasso fincada no centro

da negra página com odor de morte

A cada risco,

um risco da paranóia abreviava sua história

As linhas percorridas tornaram-se

sangrentas e espinhosas batalhas

A ponta girando determinada

em ângulos trágicos rabiscando o abismo

No final da página,

o conforto enfim atingido

A ponta quebrou-se

em várias partes de desilusão

Os desenhos moldados pelo compasso

serão esquecidos e talvez até perdoados

Pela página rasgada,

órfã e úmida pelos estilhaços das lágrimas derramadas...







OBS: Poesia escrita após receber a notícia do suicídio de um amigo...

17 comentários:

Parole disse...

As vezes construímos abismos com tanto zelo que é quase impossível sair deles.Belo e dolorosamente humano.

Lamento pelo seu amigo, Evandro.

Beijo.

Zilani Célia disse...

OI EVANDRO!
SENTI, NESTA PONTA CRAVADA DO COMPASSO, UMA DOR,LAVADA PELAS LÁGRIMAS...
BELO E SENTIDO TEU TEXTO.
SINTO MUITO PELO AMIGO QUE SE FOI, QUE "DEUS" O TENHA.
ABRÇS
http://apenaspalavresias.blogspot.com.br/,

ॐ Shirley ॐ disse...

Lindo poema, Evandro. Deus nos empresta uma "página", para que tomemos conta dela e possamos escrever nossa história. Pobre de quem a destrói... Sinto pelo seu amigo, tomara seres de luz possam ajudá-lo. Amigo, um beijo!

© Piedade Araújo Sol disse...

a homenagem é uma forma de transmitir a tristeza perante um facto consumado e tão triste...
solidarizo-me com você nesta dor...

:(

Evanir disse...

Com muitas saudades depois de uma pequena ausência
estou voltando para agradecer seu carinho comigo
eu entendo ,que a amizade é eterna quando somos amigos de verdade.
Nessa ausência pude compriender o quanto
sua presença enche minha vida de esperança.
Esta sendo difícil passar por mais essa fase
da minha vida.
De sorte a minha fé é inabalavel por maior ,
que seja minha luta procuro ser cada dia mais forte.
Eu ainda não sei de onde vem minha força,
mais acredito , que vem do Alto Dos Céus.
Onde as estrelas e os anjos me cobre de paz e de luz
restaurando assim minha vida.
Com muito carinho deixei um premio na postagem
caso gostar leve por favor.
Deus abençoe seu final de semana.
com carinho e minha amizade pra sempre.
Beijos no coração e na sua alma.
Evanir.

PauloSilva disse...

Aqui lê-se, sente-se, o escritor.
Muita força para esse coração que, nesta hora sofre, mas que se irá recompor a pouco e pouco!
Um grande abraço.

Daíse Lima disse...

Sinto muito! Força nesse momento tão difícil!

aline disse...

nossa, evandro. doeu aqui. espero que fique tudo bem por aí. todos os sentimentos.

Carlos Rímolo ( Poeta Cigano ) disse...

Caro amigo e poeta Evandro !!!

Obrigado por mais uma visita ao meu espaço. Pelas Palavras de carinhos com meus trabalhos. Passando
Para retribuir essa gentileza. Seu Poema é belíssimo, de grande conteúdo poético. Meus parabéns.
Te desejo uma semana maravilhosa, com muita luz e
Amor em teu coração.
Beijos de luz!!!!!!!!!

POETA CIGANO – 06/08/2013
http://carlosrimolo.blogspot.com
“Poesias do Poeta Cigano”

Jota Effe Esse disse...

Um compasso é só um instrumento. Pose traçar linhas alegres ou tristes, depende da mãos que o dirigem. No caso foram tristes, acontece com quem vive. Meu abraço.

ॐ Shirley ॐ disse...

Voltei, reli, muito bonito, Evandro. Beijos!

Louraini Christmann disse...

Que bom que um simples compasso
é base para a poesia do poeta.
O poeta é assim.
Tudo vira poesia.
Que bom!

Fred Caju disse...

Você abriu uma pauta ampla no poema, mas fechou ao colocar a observação...

Renato Hemesath disse...

Acho fantástico os detalhes dos seus escritos, sempre me traz alguma reflexão! Desta vez fico realmente a visualizar a imagem da vida como uma folha mais sensível e preponderante ao risco, mais do que se supõe... E sim, quantos riscos vamos fazendo e a verdade é que não conseguimos consertá-lo, talvez reparar algum deles. E esse odor de morte lembrou-me o sentimento que sempre está dentro de nós de que um dia há um fim para tudo, que nas palavras de Freud nada mais é do que pulsão/instinto de morte.

Um ótimo mês! abraços

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu amigo

Infelizmente há um ténue fio que quando se parte a dor fica envolta numa imensa saudade.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Anderson Lopes disse...

A vida é mesmo assim...

Rodrigo Moura disse...

Impecável, Evandro!
Poemas que oferecem várias interpretações
são os meus preferidos.
A metáfora do compasso e a folha
dialoga com vários aspectos da
vida humana.
Um forte abraço!