sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Entardecer...


Bem-vindo entardecer ocioso!

Massageia minh’alma com a insana sinfonia

Dos ventos uivantes bailando austera melodia

Em um céu límpido e mavioso



Sopra um ar gélido e calmante

Tatuando paz na cansada fronte

Que inerte, observa o distante horizonte

Abrir um sorriso leve e apaixonante



Desliga as fantasmagóricas alienações

Que me aprisionam em labirinto funesto

E conceda-me o todo, e não só o resto

Das cálidas e imaculadas emoções



Brota no meu peito um norte, uma esperança

E conduza-me à uma reflexiva estrada

Que seja diariamente e feliz atravessada

Em passos descompromissados de criança