quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Corvos carniceiros



Diários olhares desprezíveis,

à minha pessoa sempre presenteados

Cobrindo minha áurea de cinzas invisíveis

e deixando meu corpo com membros fatigados

 

Perseguido por corvos carniceiros,

será destino esta insana constatação?

E a amargura e o pranto jorrados nos travesseiros,

não são secados nem com uma boa oração

 

Vivo sem entender o mau agouro que me consome,

não são olhos, cabelos, mulher ou algo surreal

A inveja que me martiriza é de um emprego sem sal

o qual possuo não por luxúria, mas para matar a fome!

19 comentários:

Felipe Terra disse...

Ótimo titulo...
Ótimo poema...

Zilani Célia disse...

OI EVANDRO!
UM GRITO QUE A MAIORIA DOS TRABALHADORES GOSTARIAM DE DAR, LAVASTE A ALMA DE MUITA GENTE.
MUITO LEGAL TEU TEXTO.
ABRÇS

zilanicelia.blogspot.com.br/
Click AQUI

Zilani Célia disse...

OI EVANDRO!
UM GRITO QUE A MAIORIA DOS TRABALHADORES GOSTARIAM DE DAR, LAVASTE A ALMA DE MUITA GENTE.
MUITO LEGAL TEU TEXTO.
ABRÇS

zilanicelia.blogspot.com.br/
Click AQUI

Rodrigo Moura disse...

Evandro, realmente há seres
que se alimentam não só da carniça,
mas de toda e qualquer energia advinda
do (s) outro (s). Gostei demais!!!
Abraço forte.

AquilesMarchel disse...

me lembrou contos do cargueiro negro da serie Watchmen

ond eum homem perseguido por fantasmas ate em um final tragico ver que era ele que os perseguia

AquilesMarchel disse...

e me lembra meus tempos de trabalhar em um ferro velho

ainda bem que isso se foi

PauloSilva disse...

Um poema de autênticos pecados que voam sem corpo! Na mente que não mata mas devora...
Um grande abraço, Evandro.

Fred Caju disse...

Do caralho! Corvos e chacais tão sempre aí, esperando mais alguém pra puxar o tapete. Abraço.

aline disse...

nossa, MUITO bom! parabéns, evandro!
como sempre, tudo aqui é muito bem feito e pensado.

Evanir disse...

Evandro estou conhecendo seu blog através do blog da amiga Anita.
Seus poemas traduz um sentimento profundo quase uma dor dentro da alma.
Foi um prazer enorme conhecer você
e prazeroso também foi seguir seu blog.
Linda quarta beijos,Evanir.

Janaina Cruz disse...

Há coisas que nos perseguem e consomem, e mesmo que consigamos fugir, elas hão de nos encontrar, vão nos degradar, vão nos fazer confundir com coisas quaisquer... Mas essa não tem que ser a nossa verdade.

Adoro ler-te.

Podemos fazer uma troca de livros, o meu pelo teu? Hei de fazer um post falando de tua poesia que é lindíssima e tem que ser difundida.

Abraços

Evanir disse...

Bom Dia Evandro.
Tomei a liberdade de postar um poema seu confesso adorei seus poemas.
Venha dar uma olhada espero que goste.
Um feliz final de semana beijos,Evanir.

Parole disse...

O poema todo é excelente, mas o final é de mestre.


Beijos e bom fds.

edilaine nalesso disse...

Olá meu amigo já estava com saudades de entrar na tua página,lindo poema.

Fernanda Curcio e Leonardo Macedo disse...

Percebo em ti, um olhar sempre gótico, o que muito me agrada. Fico imaginando uma música para o poema, daquelas bem noturnas, como na voz da banda Lacrimosa, ícone mundial do goticismo.

Quanto ao comentário no meu blog, agradeço muitíssimo. Muitas das vezes eu me sinto um pouco solitária na leitura dos meus textos por eles serem difíceis de interpretação. Faz um ano que comecei a escrever com afinco, descobri a minha essência na Literatura, e pretendo não mais parar.

És um expressionista de grande talento!

Abraços,

Fernanda

J. disse...

Vivo essa mesma realidade. O olhares das faces opacas. A rotina, impedindo o acesso a linguagem além da codificada. Adaptando-se, inconformadamente, a inexpressão.

Evanir disse...

Boa Noite Meu Amigo.
Com muito carinho estou passando para desejar um lindo final de semana ,Evanir.

Gabriele Babele disse...

Tão sereno e gritante!

Gostei do teu blog e fiquei interessada no livro ao lado (Lunático) despertou minha curiosidade deveras, onde posso encontra-lo?

Janaina Cruz disse...

Oh, meu amigo, não ligue para os invejosos, eles tentam alimentar-se de tua luz, mas nada conseguiram!