quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Vergéis da primavera

A música maviosa entoada por tua voz pura
É mágica centelha a deleitar encantos
Beleza exteriorizada em valsa de candura
Afugentando os negros e funestos prantos

Tudo ao redor se rende ao inigualável momento
As estrelas rutilantes beijam o luar
O eflúvio almiscarado do amor é trazido pelo vento
E as ondas calmas, repousam nos braços do mar

Como criança, ajoelho-me a ti, musa luzente
Quero tocar-te para certificar-me que não és quimera
Afaga o espírito e o coração deste pobre carente
E leva-me entrelaçado aos teus braços pelos vergéis da primavera