terça-feira, 15 de março de 2011

Ode a juventude


Partia livremente pelas ruas
Braços guiados pelo sussurro dos ventos
No céu, as flamejantes estrelas nuas
Ornavam de desejos meus pensamentos

Camisa negra e jeans desbotado
Uniforme da boêmia madrugada
Moldava o corpo açoitado
Pela vil e diária jornada

A chuva gentil molhava minha fronte
Eu, impetuoso aspirante a eterna aventura
Deleitava-me com um novo horizonte
Avistado em herméticos jogos de loucura

Hoje, a lembrança é um vulto, um degredo
Quanto me faz falta a eclética inquietude!
A vida racional me deixa irracional e com medo
De perder o fogo selvagem de minha fantástica juventude

18 comentários:

Priscilla Cavazzotto disse...

Vou aproveitar a minha enquanto há tempo.
hehehe
Beijos meus

T@CITO/XANADU disse...

a VIDA sempre renasce com grande intensidade e porte,é algo que supera a dor mais forte, é o começo do que já foi fim, e que retorna mais inteira.
A vida tudo contorna, e de repente, estamos juntos, novamente, renascendo.

Abraços
Tácito

Nuvembranca disse...

A canção da melhor idade é a serenidade. Belíssima poesia. Parabéns.

Sandra Botelho disse...

A juventude é um estado de espirito...
Podemos sim, ser eternamente jovem.Basta não permitir que morra a felicidade e a pureza em nossos corações.
beijos achocolatados

Lara Amaral disse...

O avançar da idade nos ameaça com o medo, com a cautela.

Belo poema!

Beijo.

Jorge Pimenta disse...

evandro,
a juventude renasce em cada poema.
um forte abraço e tudo de bom para ti!

Priscilla Cavazzotto disse...

Obrigada pelo carinho destinado ao meu blog.
Beijo e abraços.
Um bom final de semana!

Denise Portes disse...

Linda poesia. Obrigada por sua visita ao Delirio da Bruxa.
Um beijo
Denise

Marcantonio disse...

João Cabral dizia que escreveria até os 45 anos, pois dali começam os danos da senectude.
Seria o ser jovem questão de atitude, ou a juventude é algo que em nós morre?
Poderei como Einstein dar a língua grisalha à luz.
E ser como Goethe seria o que mais me seduz.
Um corvo pessimista do meu íntimo sussurra: no more!
Mas inconformado para dentro de mim respondo: sus!


Um abraço.

cristinasiqueira disse...

_Como não?
O fogo do querer,este fazer-se em racionais/irracionais que te confudem mas não te espantam.E voce escreve.

Gostei .Gostei.

Até,

Cris

byTONHO disse...



Jo.vem e vai!
O velho fica...

Abraço-tchê!

ღ Sensitivity ღ disse...

Acho que cada tempo de nossa vida deve ser aproveita com a mesma alegria. A juventude tem que ser uma boa lembrança, como a meia idade e a terceira idade. Belo poema. Beijinhos.

Cores da Vida... disse...

Oi Evandro,
Estou aqui pela primeira vez. Estou gostando do que leio. Você escreve "forte".

Sei que aproveitei muito a minha juventude. Sim, continua em mim, contudo, não sou daquelas que perco muito tempo pensando no que já não posso mais fazer ou já não devo mais fazer, por não me condizer, não me comportar.

Beijos,

Malu disse...

Evandro,


Belíssima Ode !
Impossível negar o medo que sentimos
em perder a juventude e os ímpetos nela contidos.


Bjo Grande !

Vanessa Souza Moraes disse...

talvez não se perca, talvez.

Fred Caju disse...

Muito bom o seu espaço. Sabe a sensação de ter ficado para trás por chegar atrasado, pois é...

...EU VOU GRITAR PRA TODO MUNDO OUVIR... disse...

Belo poema e bela lembrança da juventude!

Uma pena que quando passamos por ela a supomos eterna e não a aproveitamos tanto como deveríamos!

Um beijo,saudades!

Sonia Regina

Silvério B. disse...

E aí meu velho,
NÓS nunca perderemos a juventude e o descontentamento.
Felicidade sim, contentamento nunca!!

Até, e continue escrevendo por escrever

Silvério B.

https://pepinonodeserto.wordpress.com/