sábado, 15 de janeiro de 2011

Bandos



Verdes britadeiras ruidosas
Rasgam o corpo tênue do velho asfalto
Tomando seu lascado coração de assalto
E velando-o sem prantos, sem rosas!

Britadeiras empunhadas por escravos urbanos
Seguras pelas palmas ásperas e definhadas
Úmidas com suor amargo jorrado até as calçadas
Limpas pelos sujos e esmaecidos panos

Escravos ardendo em fogos dilatados
Duelando contra a angústia da saliva ferida
Clamando uma pausa aos corpos fatigados
E um copo cheio com a água mais arrefecida

Ao meio dia, debaixo do viaduto, retiram sua comida
Mastigando e engolindo seco ao ouvir a buzina zombeteira
Olhando no fundo da marmita o reflexo de sua dignidade carcomida
Arroz, feijão, tristeza, açoite e poeira

Ao findar o dia, largam as britadeiras e colocam seus trapos nefandos
Partem com suas mochilas as costas, como se fossem bandos
E realmente são bandos, descartáveis, invisíveis, sem esplendores
Nesse país sem oportunidades, preconceituoso e de pútridos valores

19 comentários:

T@CITO/XANADU disse...

Caminham sem rumo
sem dinheiro
sem fumo
quase sem esperança...

Observamos de longe
tentando manter o prumo...

Tácito

MaRaH MeNDS & Hugo Paz disse...

e ai blz cara, obrigado pela visita, achei legal essa caricatura sua, bem bacana

MaRaH MeNDS & Hugo Paz disse...

e ai blz cara, obrigado pela visita, bem bacan seu blog. abraço

...EU VOU GRITAR PRA TODO MUNDO OUVIR... disse...

Evandro!

Perfeito poema,perfeita descrição dos seres invisíveis.

Hoje passei por um deles...eu dentro do ônibus...ele magrinho,franzino empunhando a britadeira e seu corpo todo tremia.

Olhei para ele nem sei porque pois na maioria dos casos não os vemos...fazem parte do cimento que arrebentam...ficam aos pedaços em nome do bem-estar da cidade.

Apenas poetas percebem e sabem descrever os sentimentos deles...como você!

Gosto muito do template do seu blog e de todo o blog.

Um abraço carinhoso e visível!

Sonia Regina.

Sylvia B. disse...

mta coisa por descobrir aqui. regressarei mts vezes;)

S.

:) disse...

Parabéns, Evandro!

Você é um grande artista!

Um forte abraço e sucesso sempre!

Pedro Antônio

Viagem Sem Retorno disse...

Belo...

Aproveito para deixar o endereço do meu blog http://viagemsemretorno.blogspot.com/

ღ Sensivity ღ disse...

Bem a cara do Brasil essa frase: "Nesse país sem oportunidades, preconceituoso e de pútridos valores"
Parabéns pela belissima critica. Beijinhos.

Pedro Du Bois disse...

Caríssimo Evandro, somos britadeiras postas ao (des)serviço onde nos esgotamos em dizeres de finais de tardes. Assim. Excelente construção poética: ágil, afinada, determinada. Abraços, Pedro.

Vanessa Souza Moraes disse...

Dolorido quadro.

http://vemcaluisa.blogspot.com/

Priscilla Cavazzotto disse...

Olá!
Obrigada pela visita em meu blog!
Volte sempre, pois eu voltarei!
Um grande dia pra ti!
Beijos meus

ღ Sensivity ღ disse...

Passando para desejar um ótimo fim de semana. Beijinhos.

Maria Dorinha disse...

Hoje vim prestar atenção no ritmo, na disposição das frases.
Belo, novo. Porém, sem deixar de transparecer com àqueles que te inspiram...
abração poeta

Úrsula Avner disse...

Olá Evandro, muito grata por sua amável visita e comentário... Seus textos continuam expressivos. Grande abraço.

Claudio Poeta disse...

Bela criação! - Parabéns, Evandro! - Abração

Nuvembranca disse...

Mas os pútridos valores, nem merda é!!! Parabéns Lunático! Belíssimo texto.

Arquimedes Diniz disse...

Precisa, forte, cava na alma várias perguntas. Obrigado por sempre ir ao meu blog.

Ensinado Mecânica disse...

Legal esta somatória de letras transformada em poesia. Jamais perca estas sensibilidades, cultive-as para nos alegrar, abraços

Gavine Rubro disse...

Cru e elucidativo.
ainda estou a digerir o que li. Grande sulco revolucionário neste poema. Parabéns.

Encontrei por acaso este blog e voltarei com certeza,

Abraço

Gavine Rubro
www.celularubra.blogspot.com