sábado, 19 de junho de 2010

Lança libertina

Olha você...

defronte ao abissal espelho

Agoireira testemunha

fincando a lança libertina

vagando em erótico transe

observada pela verde retina

Morador do quarto azul

Andrajoso andarilho

calçando suas botas de couro

percorrendo portais

da insana imaginação

Artérias pulsam

o rubro e misérrimo

sangue da destruição

adentrando o labirinto

dos arrabaldes soturnos

nas frias calçadas

da amargura

Fogo na noite

A brisa sussurra

uma ditosa melodia às folhas

Lírios exalam

o odor doce pueril

no jardim da praça central

O mundo é uma faminta boca

gigante

mutante

itinerante

O mundo,

este eterno desejo de poder

formado por muros

grades

laços

e raças

forçando-nos a ser

como predadores

em busca de suas caças

comendo o povo

com igrejas,

pastores,

e a maldita televisão

Lavagem cerebral

Subam fiéis

pelas escadas do firmamento

alcancem o perdão

acariciando a reluzente constelação

Linda natureza

Perfeita realeza

Terrível surpresa!

Olha você...

desfilando a íntima fúria

Seus amigos...

Bêbados!

Marginais!

Anjos lavam

os doirados castiçais da capela

com suas tristes lágrimas

derramadas pela celestial janela

Demônios conduzem

seus fiéis forasteiros

ao palácio desgarrado

dos excessos

alimentados pela gula

das selvagens crueldades

percorrendo o deserto

tênue e incerto

à procura escura

das minas de ouro

Fonte de desejos

atravessam barreiras

gerando anseios

beijando a morte

no bico dos seios

Corpo do mendigo apodrecendo

Véu alvo da donzela ensangüentado

Lixo da burguesia assassinado

Passageiros da tempestade

depauperados seres

enriquecidos prazeres

Mentes amantes de genocídios

Loucos vermes

Fétidas orgias

Mórbidas apologias

Descansem nos braços afáveis

dos prostíbulos

Frio na manhã!

Olha você...

defronte ao abissal espelho

Bizarro ser envelhecido

vagando em caótico transe

pelas funéreas alamedas

do revertério

ornado pelo fulgor

do sol esmaecido

Olha você...

Olha você...

Olha você...

Você sou Eu!!!!

19 comentários:

Mila disse...

Belo seu poema, muito reflexivo e instigante.
Bjs
Mila Lopes

ErikaH Azzevedo disse...

Dói esse poema sabia...essa prosa que fizeste poesia dói menino, corta , dilacera, por que nos mostra sendo o que não deveriamos ser...filhos de um sistema vil e podre, um choque com a realidade esse espelho, um choque com a verdade.
E corta, e sangra e mata....

Bom demais ...adorei!

Volta mais vezes, és desses bons de criar laços.

Saúdo tuas palavras menino!

Um beijo

Erikah

Erikah

Albuq disse...

Instigante!

dade amorim disse...

Olá, Evandro.
Obrigada por seu generoso comentário em meu blog.
Parabéns por seus poemas e muito sucesso.

Carlos. Branco. disse...

Que transe seu poema poeta, me senti dentro desse mundo podre que todos vivemos, mundo irreal rigado de lirios,
parabéns.

www.carlosbranco.com.br

Poesias-Franciéle R.Machado disse...

Me surpreendi ao ler todo seu poema, tem um ritmo ótimo, tem devaneios, há tantas sensações, uma imensidão de fatos que se passaram pelos anos.

As tragédias como você cita ao longo do poema, são intensas e cheias de inspiração, de imaginação,viajei em suas palavras e pretendo voltar mais vezes.Gostei da maneira como você se expressa, com todo o punhado de realidade ou talvez sonho que transborda nas palavras .

Está de Parabéns por seu imenso talento!
Muito sucesso e ainda mais inspiração!

Boa Noite. =D
Abraços!

Mafii disse...

muito obrigada pelo comentário!
será um prazer =) *

Por que você faz poema? disse...

Teus versos são sensacionais:
vivos, visceras, inquietos...

Celso Andrade disse...

Bom é pouco, não posso elogiar, tens um belo trabalho.

abraço

celso

Karine Melo disse...

Nossa, vc escreve muito bem.. Parabéns!!!

Beijos ;*

MIRACHE disse...

Una sola palabra... excelso

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

"Lírios exalam

o odor doce pueril

no jardim da praça central"
versos para um fim de tarde em minha cidade sem lírios.,

Leo disse...

Parabéns, escreve e como...
fiquei interessado em ler teu livro.
onde o acho?

obrigado por me visitar e comentar.
Um abraço e sorte!

Ana Luisa disse...

olá Evandro!!
Vim retribuir o carinho q vc demonstra pelo Caixa de Anadora, me add como um dos blogs q segue. Muito obrigada por sua confiança e presença entre os amigos desse mundo blogosférico.

Grande beijo,
Ana Luisa.

L.Moraes disse...

Que beleza. Que bela forma, que voz alta. Seus poemas falam com uma dicção maravilhosa. Parabéns.

...EU VOU GRITAR PRA TODO MUNDO OUVIR... disse...

Seu pensamento me intriga...somos unos neste universo caótico!

Parabéns!

Um beijo!

Sonia Regina.

Cristiano Contreiras disse...

Sempre prazeroso te ler!

Maria Dorinha disse...

Realmente, este poema traz Augusto dos Anjos,Baudelaire como pano de fundo de um cenário onde se mistura o mundo e você. Pessimismo misturado em um impressionismo que dá a leveza que paira na vertigem existencial de ser. Poeta, parabéns.

Vana Fraga disse...

Amei Passar Por Aqui,
Colher Pétalas Tão Fortes
Do Tecer Nobre... De Ti!!!

Aplausos Calorosos,
A Seus Versos Formosos!!!

Bjão No♥

Pequena Poetisa-Vana Fraga