domingo, 23 de maio de 2010

Sombria furna

Ó inquieta loucura,
que me aprisiona em sombria e solitária furna,
acalma-te por instantes!

Tu que fazes brotar em minhas pupilas
uma cegueira atroz ante obcecadas faces abobadas,
desprendidas de senso crítico e de ridículo,
habitando esta sociedade depauperada

Tu que fazes brotar em meus tímpanos
uma sonoridade de anseios psicóticos
e tendências estridentes,
as quais forçam-me a ranger os dentes
como se um punhal afiado pelo asco à vulgaridade
tatuasse em mim um justiceiro a varrer
o lixo de carne e osso que imunda esta cidade

Uma fumaça sai de minha cabeça
poluindo este jardim de neurônios

Uma porção de espinhos germina
sangrando-me de dentro para fora,
fazendo-me gemer esta dor melancólica
que me consome em constante vigília
por minha própria perturbação

Os dias são migalhas e este brado interior que solto,
vai circulando e evacuando
pelos poros desta psíquica fatigada,
arrastando-se e coleando-se pelos pensamentos peculiares
que me comandam nesta interminável e austera batalha

Quero um sono pesado,
para curar-me das nódoas desta taquicardia enferma,
esquecer das moscas varejeiras
que sobrevoam minha cadeira
na esperança de pôr um ovo nocivo
que possa ser explosivo
na tentativa de podar-me de meu emprego medíocre

Não ouvir os ganidos da madrugada, as latas chutadas,
o ruído descompassado dos moribundos,
as sirenes anunciando um novo assassinado,
o vento alto interrompendo o silêncio velado

Não enxergar o retrato antigo
dos outrora queridos entes,
acumulando poeira e pegadas de baratas
em cima das estantes

Deixais um lençol de pano cálido
isolar minha mente doentia
da realidade fria que me deixa pálido

E que os sonhos puros
penetrem como corajosos e loucos
pela janela dos medos escuros
e vá me acalmando aos poucos

20 comentários:

Sil.. disse...

Evandro querido!
Poxa, que prazer tê-lo lá no meu espaço, adorei.
Eu ando sempre que posso dando uma olhada lá no
BOHéRASE AUTORES, ali é um poço de cultura, um lugar que voce senta realmente pra ler coisas tão bonitas.
Mas agora tbm te sigo aqui, e as vezes nem sei muito o que dizer desses textos tão lindos, que pessoas como voce conseguem colocar tão lindamente pra gente.
Dá uma anestesia na alma rs. Uma anestesia boa!
Um grande abraço!

Lou Vilela disse...

Bela ode à loucura, Evandro! - Há momentos em que a dura realidade atordoa.

A propósito, já teve a oportunidade de ler Erasmo de Rotterdam?! "Qual instante da vida não é triste, tedioso, desagradável, insípido, insuportável, se não for temperado pelo prazer, isto é, pela Loucura?" (em o livro "Elogio da Loucura").

Abraços,
Lou

Paulo Sempre disse...

Ser Poeta

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Áquem e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

Florbela Espanca

Paulo Sempre disse...

Horas mortas... Curvada aos pés do Monte
A planície é um brasido... e, torturadas,
As árvores sangrentas, revoltadas,
Gritam a Deus a bênção duma fonte!

E quando, manhã alta, o sol posponte
A oiro a giesta, a arder, pelas estradas,
Esfíngicas, recortam desgrenhadas
Os trágicos perfis no horizonte!

Árvores! Corações, almas que choram,
Almas iguais à minha, almas que imploram
Em vão remédio para tanta mágoa!

Árvores! Não chorais! Olhai e vêde;
- Também ando a gritar, morta de sede,
Pedindo a Deus a minha gota de água!


Florbela Espanca

Mila disse...

Olá!
Amei teus escritos...
"Quero um sono pesado,
para curar-me das nódoas desta taquicardia enferma"
às vezes é tudo que quero UM SONO PESADO.
Bjs
Mila

Pat. disse...

Olá,

Obrigada por tuas palavras e carinho. Encontrei aqui um espaço lindo para aprender mais e mais.
Palavras fortes... querem viver!

Um beijo especial e já seguindo...
Pat.

Albuq disse...

Muito bonito Evandro, muito forte! bjs

LiLa BoNi disse...

Gosto muito de estar aqui e te ler !!!
Parabéns!!!
Mil beijos !!!!

LUCIANA DOS SANTOS disse...

Você mexeu com a minha alma!
Bejão

JPM disse...

Olá,
Tive contato com o teu blog no da Luciana dos Santos.
Agora vim conhecê-lo e seguí-lo.
Meus parabéns!
Desde já és convidado a visitar o meu.
Saúde e felicidade.
João Pedro Metz

GRAZIELLA disse...

Olá....
passando e conhecendo seu blog...
parabens!!
suas palavras tocam fundo na alma...
Sucesso!!!

Guida Rosa disse...

Parabéns poeta...belissimo blog!
Não sou uma poetisa,mas em palavras grito o meu silêncio,,pra dizer quem fui,e o que hoje sou.
Tenha um ótimo fim de semana bjs de Rosa.

Kathe disse...

Belas palavras!
Precisas, profundas, palavras em si...
É um prazer desfrutar de teu conhecimento e a cada dia aprender mais com, vocês, grandes poetas.
Para os como eu, iniciantes, é uma honra conter em seus seguidores pessoas tão ligadas a sentimentos profundos e fantasias deslumbrantes!
Obrigada por fazer parte do meu mundo!
Seja bem vindo.
Parabéns, blog fantástico!

VELOSO disse...

Hoje estou muito lunático amigo Evandro!

aliciamentos e alucinações disse...

loucura é esse teu canto aqui.
também te sigo, desde agora.
agora, vou devorar o resto do blog.
os versos.
é...

(sheyladecastilhoº

...EU VOU GRITAR PRA TODO MUNDO OUVIR... disse...

Poema visceral e contundente!!!

Um abraço!

Sonia Regina.

bonecocartunista disse...

Lindas!! As viagens sobre o planeta em sua nave de palavras,é com muito prazer que sou mais um lunático!

UM ABRAÇO!

Adna disse...

passando para retribuir a visita.
Lindos versos! Parabéns!

e como AMOOO Clarice Lispector:

...estou procurando, estou procurando. Estou tentando me entender. Tentando dar a alguém o que vivi e não sei a quem, mas não quero ficar com o que vivi. Não sei o que fazer do que vivi, tenho medo dessa desorganização profunda.
Clarice Lispector

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

A loucura que se vai acalmando ao longo do poema até a coda* Belíssima *Sombria Furna*

E que os sonhos puros
penetrem como corajosos e loucos
pela janela dos medos escuros
e vá me acalmando aos poucos

Parabéns, Poeta!


*Uma árvore em flor fica despida no outono. A beleza transforma-se em feiúra, a juventude em velhice e o erro em virtude. Nada fica sempre igual e nada existe realmente. Portanto, as aparências e o vazio existem simultaneamente.
Dalai Lama*

Beijos, querido!

Flá Perez (BláBlá) disse...

muito belo! muito boa a construção dos versos.
bjbj